#usuários

    • Usuário do Tumblr em destaque: Carol Rossetti

      Blog: Carol Rossetti

      Primeira postagem: Agosto de 2012

      Carol diz, no seu site pessoal, que se sente incomodada com as tantas formas de controle que existem sobre os corpos, comportamentos e identidades das mulheres. Foi partindo dessa insatisfação que a artista começou a sua fabulosa série de ilustrações, todas com personagens femininas. Com seus desenhos, ela desconstrói a maioria dos tabus e códigos de conduta impostos à condição feminina. Carol publica em várias línguas, com grande repercussão lá fora, e até já foi citada pela pela CNN e pela revista Cosmopolitan. Carol Rossetti é ilustradora e designer gráfica. Ela também admnistra um estúdio de design com outros três amigos, em Belo Horizonte, sua terra natal. Recentemente, inaugurou a sua loja online (onde é possível comprar as suas ilustrações em vários formatos e suportes) e, entre um trabalho e outro, parou um pouco para nos dar essa entrevista. Com vocês, a Carol!

      Adoramos os seus desenhos. Conta como esta série de ilustrações com as meninas começou?

      Este projeto surgiu muito espontânea e despretensiosamente. Nunca imaginei que fosse ter essa visibilidade incrível. Eu sempre crio projetos pessoais para não perder a prática do desenho, e para tentar desenhar todo dia. Eu já costumava postar meus rabiscos na minha página do Facebook, que só meus amigos mais próximos acompanhavam. Eu já vinha, há algum tempo, lendo bastante sobre feminismo interseccional, com o qual me identifico bastante, e pensei que eu pudesse traduzir o que eu gosto tanto deste movimento em desenhos amigáveis com mensagens boas. Meu objetivo é sempre mostrar a individualidade e os sentimentos do ser humano mediante as tantas críticas com as quais ele se depara ao longo da vida. São críticas em relação às escolhas pessoais, à identidade, aos corpos. São coisas que acontecem com todo mundo, mas acredito que seja de forma muito mais forte, opressiva e cruel com as mulheres. Eu tento falar sobre isso sempre com afeto, evitando a agressividade.

      Existe uma mensagem de emancipação feminina muito forte nas suas ilustrações. Foi esse o ponto de partida, né?

      Isso. Foi parte do ponto de partida. Desde a primeira ilustração (Marina), eu tento passar uma mensagem de liberdade e emancipação. A mensagem é sempre dada com personagens femininas, mas não acredito que apenas mulheres possam usufruir dela.

      Ler mais

    • Usuário do Tumblr em destaque: João Pinheiro

      Blog: Diário Vagulino

      Primeira postagem: janeiro de 2014

      Artista visual, ilustrador, professor, escritor, roteirista… É difícil colocar o talentosíssimo João Pinheiro em uma categoria só. Dono de um currículo invejável, ele já colaborou com os mais diversos veículos e publicações brasileiras, da Folha de São Paulo à agência DM9. Em 2006, recebeu um convite para fazer parte do Urban Sketchers, um portal que reúne artistas do mundo todo. Lá, exibe os seus rabiscos feitos pelas ruas de São Paulo. João conversou com a gente sobre os seus livros, seus trabalhos e a biografia do Jack Kerouac, que roteirizou em HQ, um dos seus trabalhos do qual mais se orgulha.

      Artista visual, escritor, professor… como foi que isso tudo começou?

      Com 10 anos, eu fiz minhas primeiras revistas em quadrinhos. Desenhava em folhas de sulfite, direto com caneta Bic, sem esboço, e depois colava as folhas e fazia a capa com cartolina. Um pouco mais tarde, fiz dois cursos na Oficina Cultural Alfredo Volpi, em Itaquera, que foram definitivos para minha formação. Um foi o curso de pintura com o professor e pintor Jair Glass e o outro, um curso de quadrinhos com o professor Joanes Lessa. Naquela época, 1994, comecei a aprender os fundamentos do desenho e da pintura e nunca mais me desviei dessa vocação. Também sempre escrevi quase que na mesma intensidade que desenhava e todo o resto veio como consequência disso.

      No entanto, você é formado em design gráfico… podemos afirmar que a ilustração é a sua galinha dos ovos de ouro?

      Na verdade, trabalhei pouco como designer gráfico. Meu interesse sempre foi voltado para as artes visuais, em especial para a área de ilustração e HQ. Hoje faço design apenas esporadicamente e, principalmente, para meus próprios livros e projetos na internet.

      Ler mais

    • Usuário do Tumblr em destaque: Sirlanney Nogueira  

      Blog: Sirlanney 

      Primeira postagem: abril de 2012

      O delicioso tumblr da artista plástica Sirlanney é altamente viciante. Uma vez que você já está lá, é impossível sair da página sem ver pelo menos todas as suas tirinhas. Feminista acidental e cearense de nascimento, Sirlanney escolheu o Rio de Janeiro como a sua segunda casa. Diz que faz as tirinhas para narrar a sua vida e para não enlouquecer. Conversamos com a artista sobre feminismo, sobre o livro com as melhores tiras que está para sair e sobre a sua paixão pelo Tumblr.

      Somos apaixonados pelo seu Tumblr! Conta pra gente como tudo começou.

      Começou de uma longa caminhada de autopublicações pela internet. Primeiro eu postava textos, geralmente como diários. Só depois de 2009, comecei a publicar desenhos e quadrinhos. Meu primeiro blog foi em 2001, mas antes disso eu já sabia que queria fazer da escrita minha profissão. Todo mundo tem sonhos megalomaníacos na infância: de ser poeta, cientista, astronauta. O primeiro parecia ser o menos complicado e, não sei por que, eu levei adiante.

      A Sirlanney “magra de ruim” é 100% autobiográfica ou tem ficção ali pelo meio?

      É mais fácil dizer que é 100% ficção. Eu me uso como personagem também, mas quase sempre meus personagens são genéricos. Escrever em primeira pessoa e usar como personagem central quase sempre uma menina é o que leva o leitor a pensar que é uma autobiografia. Mas mesmo quando eu me inspiro em fatos, sentimentos ou observações reais para compor uma história, eu sempre acabo distorcendo muito para deixar aquilo atrativo. Exagerando, enfeitando, ou mesmo mentindo. O que for necessário para criar uma história, eu faço.

      Ler mais

    • Usuário do Tumblr em destaque: Carla Raiter      

      Bloggael + frida

      Primeira postagem: maio de 2014

      Assim que batemos os olhos no belíssimo tumblr “gael + frida”, da fotógrafa Carla Raiter, ficamos apaixonados. Gael é o filhinho de quase 4 anos da Carla. Frida é uma cadelinha que, abandonada na porta de um supermercado, foi adotada e agora já faz parte da família. No primeiro dia que a Carla trouxe Frida para casa, a química entre as duas fofuras foi imediata. Daí para a criação do tumblr registrando a amizade dos dois, foi um pulo. Conversamos com Carla para tentar descobrir um pouco sobre a amizade por trás destas fotos tão lindas.

      Você é fotógrafa full time ou existem outras atividades paralelas?

      Sou fotógrafa full time, mas toco tudo sozinha. Sou mãe do Gael e estou terminando a graduação em Comunicação Social. Então, existem muitas atividades paralelas (risos). Mas atividade remunerada, só a fotografia, mesmo.

      Como surgiu a ideia do blog “gael + frida”?

      A ideia surgiu por acaso, sem nenhuma grande pretensão. Foi bem aquela coisa de algumas pessoas sugerirem: “ah, faz um tumblr disso” (risos). 

      Contando a história desde o começo: a Frida foi adotada. Eu a encontrei abandonada na porta de um supermercado e a trouxe para casa porque já queria adotar um cachorro filhote há algum tempo. Um dos motivos era o pânico que o Gael tinha de cachorros, de todos os tipos e tamanhos. Outro motivo era a vontade de dar algum tipo de companhia para ele brincar, correr, fazer bagunça. E o outro motivo envolve o fato de cachorros serem peludinhos, fofinhos e bonitinhos (risos). Quando cheguei em casa com a Frida, o sucesso foi imediato. Gael adorou. E os dias que se seguiram renderam cenas lindas de brincadeiras e carinhos. Comecei a fazer algumas fotos e postar no Facebook. Em um dos posts, até brinquei, pedindo desculpas pelo assunto recorrente, mas é que não dava para resistir a tanta lindeza. Os amigos gostaram das fotos, pediram para continuar postando. Surgiu então a sugestão do Tumblr, e eu fiz.

      Ler mais

    • Usuário do Tumblr em destaque: Diogo Antonio RodriguezBlog: Me Explica?Primeira postagem: janeiro de 2013 

O jornalista Diogo Antonio Rodriguez é a perfeita definição de workaholic: colabora com as mais diversas publicações brasileiras, é cientista social, faz um boletim sobre o Brasil para a rádio americana KPFA e também elabora podcasts deliciosos para o Super8ito. Com o blog Me Explica?, no qual ele fala sobre assuntos complexos de forma simples, Diogo ganhou notoriedade e uma coluna no extinto Guia do Dia, na TV Cultura. Nesta entrevista, ele conta um pouco sobre a sua trajetória, fala sobre os planos para o futuro e também sobre os últimos discos que andam fazendo a cabeça dele.

Conta como você teve a ideia para o blog e quais eram as suas expectativas iniciais? Os meus amigos sempre me perguntavam sobre o noticiário, porque eu gosto de ler jornais, revistas, sites e blogs. E eu sempre acabava explicando uma coisa ou outra, já que estava sempre acompanhando os acontecimentos. A ideia nasceu daí. Fazer a mesma coisa, na forma de uma conversa, só que para mais gente.

Como surgiu o convite para a coluna no telejornal da TV Cultura?O âncora do jornal, Aldo Quiroga, foi meu professor e viu, pelo Facebook, que eu estava fazendo o blog. Aí me chamou para ser um dos colunistas do extinto Guia do Dia, que era um modelo novo de jornal, mais divertido e mais próximo do telespectador.

Como está sendo a repercussão pós TV Cultura? Mais visitantes para o blog? Mais convites para outros trabalhos?Aparecer na TV ajudou muito. Não sei mensurar, para ser sincero, mas sei que o blog ganhou legitimidade, especialmente pelo fato de a Cultura ser uma TV tão respeitada no Brasil. Foi uma ótima adição ao currículo do Me Explica?.
[[MORE]]

Você também já colaborou para a revista Trip, para o suplemento Link, do Estadão, e para a Ilustrada, na Folha. Publicações bem distantes dos temas políticos que você aborda no Me Explica?. Qual destas áreas te dá mais prazer?Todas. O melhor de ser jornalista é poder escrever sobre quase tudo e conhecer vários tipos diferentes de pessoas. Cada uma dessas experiências me dá e me deu repertório para ser um jornalista melhor.

Você tem também um blog onde publica podcasts muito legais, o Super8ito, mas o seu último post é de setembro de 2013. Planos para mais podcasts no futuro?Claro. O Super8ito vai voltar. É muito divertido de fazer. Só não sei quando. Eu também faço um boletim semanal sobre o Brasil para uma rádio americana (KPFA).

Falando em música, o que tem chamado a sua atenção ultimamente? Quais discos imperdíveis você escutou nos últimos meses?Recentemente, eu descobri os Nine Black Alps, uma banda de, digamos, noise rock. Estou ouvindo muito o disco mais recente, Candy for the Clowns, e um mais antigo, Everything Is. Estou vidrado também na Lydia Loveless, uma cantora que mistura punk com country. Confesso que eu ando meio por fora das novidades, então acabo ouvindo umas coisas mais antigas, como o último do Leandro Lehart, Ensaio de Escola de Samba, e cantores de blues e bluegrass.

O tumblr Me Explica? foi uma tentativa de levar o blog para outras plataformas? Na verdade, o Me Explica? nasceu no Tumblr! Foi a minha primeira plataforma.

E por que escolheu o Tumblr como plataforma?Porque é muito fácil de mexer, publicar e tudo mais. Hoje ele é uma ótima plataforma de comunicação com os meus 1400 e tantos seguidores. Aqui, eu recebo perguntas, elogios, críticas. Muito mais do que no Twitter, por exemplo.

E quais são os seus tumblrs favoritos?Sempre gosto dos tumblrs que fazem piada com algum assunto do momento, como o IPEA Apurou ou o USP Vende Tudo.

imagem: Diogo Antonio Rodriguez[[MORE]]

      Usuário do Tumblr em destaque: Diogo Antonio Rodriguez
      Blog: Me Explica?
      Primeira postagem: janeiro de 2013 

      O jornalista Diogo Antonio Rodriguez é a perfeita definição de workaholic: colabora com as mais diversas publicações brasileiras, é cientista social, faz um boletim sobre o Brasil para a rádio americana KPFA e também elabora podcasts deliciosos para o Super8ito. Com o blog Me Explica?, no qual ele fala sobre assuntos complexos de forma simples, Diogo ganhou notoriedade e uma coluna no extinto Guia do Dia, na TV Cultura. Nesta entrevista, ele conta um pouco sobre a sua trajetória, fala sobre os planos para o futuro e também sobre os últimos discos que andam fazendo a cabeça dele.

      Conta como você teve a ideia para o blog e quais eram as suas expectativas iniciais? 
      Os meus amigos sempre me perguntavam sobre o noticiário, porque eu gosto de ler jornais, revistas, sites e blogs. E eu sempre acabava explicando uma coisa ou outra, já que estava sempre acompanhando os acontecimentos. A ideia nasceu daí. Fazer a mesma coisa, na forma de uma conversa, só que para mais gente.

      Como surgiu o convite para a coluna no telejornal da TV Cultura?
      O âncora do jornal, Aldo Quiroga, foi meu professor e viu, pelo Facebook, que eu estava fazendo o blog. Aí me chamou para ser um dos colunistas do extinto Guia do Dia, que era um modelo novo de jornal, mais divertido e mais próximo do telespectador.

      Como está sendo a repercussão pós TV Cultura? Mais visitantes para o blog? Mais convites para outros trabalhos?
      Aparecer na TV ajudou muito. Não sei mensurar, para ser sincero, mas sei que o blog ganhou legitimidade, especialmente pelo fato de a Cultura ser uma TV tão respeitada no Brasil. Foi uma ótima adição ao currículo do Me Explica?.

      Ler mais

    • Usuário do Tumblr em destaque: Angélica Dass                

      Blog: Humanæ

      Primeira postagem: abril de 2012

      Tudo começou com um projeto final de mestrado e o resultado foi uma coisa maior que a vida: registrar todos os tons possíveis da pele humana. Foi com essa premissa que a artista plástica carioca Angélica Dass deu o ponto de partida ao seu extraordinário projeto Humanæ. Usando a escala de tons da Pantone, Angélica tira fotos dos seus voluntários e preenche o fundo do retrato com a mesma cor da pele de cada um. Angélica, que mora em Madri, contou um pouco sobre como o projeto mudou a sua vida e também sobre a repercussão que ele está tendo pelo mundo afora.

      Explica um pouco para a gente como surgiu a ideia do projeto e o seu nome “Humanæ”? 

      Humanae significa Humano em latim. A inspiração para este projeto vem de minhas raízes familiares. Eu sou a neta de um “preto” e “indígena” e filha de um pai “negro” adotado por uma família “branca”. Então, eu sou uma mistura de diversos pigmentos. Humanae é uma busca para destacar a nossa verdadeira cor ao invés do falso vermelho e amarelo, preto e branco. Para mim, é uma espécie de jogo para subverter os nossos códigos. Como os códigos eu tento falar sobre o que aprendemos, muitas coisas que são tanto sociais, linguística e culturais, nuances do cotidiano que eu gostaria de repensar. Eu comecei este projeto como um trabalho final de master, em abril de 2012. As primeiras imagens foram feitas no Brasil, com alguns membros da minha família. Em julho deste ano eu comecei a fazer anúncios públicos através de redes sociais, dizendo onde eu estaria retratando e os que entendessem minha mensagem e quisessem participar eram bem-vindos. Mas que haja diversidade no projeto; eu trabalho em espaços que não são apenas no mundo da arte. As duas mil imagens do projeto são feitas em museus, galerias e feiras de arte, mas também em favelas, em ONGs, na sede da UNESCO, em cooperativas que trabalham com desabrigados. A diversidade do projeto não é apenas de rostos e cores, mas de classes sociais, nacionalidades, religiões, orientações sexuais, eleições políticas, status econômico… juntos em Humanae não encaixamos em códigos. Somos apenas seres humanos.

      O Brasil deve ser um dos únicos países com a opção de “cor da pele” nas certidões de nascimento, o que você tem a falar sobre isso?

      Dividir a população como branca, preta, amarela, parda ou indígena é uma das coisas mais kafkanianas que existem, para começar com a pobre palavra “indígena” que não é cor. A definição oficial de “pardo” é um retrato dessa mistureba: “não-brancos” e não enquadrados como amarelo ou preto. Essa mistura é uma das essências de ser brasileiro. 

      Eu digo que sou negra, mas nas minhas veias correm sangue branco, preto e indígena. A pergunta que fica é como me declaro? Pela minha aparência? Pela minha mãe? Pelos meus avós? A obrigação da declaração me gera mais questões que certezas. Mas acrescento que estas classificações originadas no século XVIII finalmente encontram utilidade em uma política pública de cotas, que é um paliativo para um final de escravidão sem nenhuma política de educação e igualdade. Parece que cem anos depois algo pode ser feito por aqueles escravos do XIX que foram transformados em criados no século XX, vamos ver o que podemos esperar do século XXI. Tenho outro projeto aberto, que também trabalha com colaboração, e que se chama autodeclaração, como uma declaração de rebeldia ao fato de ter que escolher 5 opções dadas pelo governo para definir-se. Uma chamada à reflexão e discussão sobre uma classificação criada e utilizada pelo Estado, baseada em estudos arcaicos que acreditavam que características faciais de uma suposta raça geravam a propensão de cometer um crime. As pessoas que participam me mandam um retrato 3x4 com sua declaração, por exemplo, amarelo estudante de concurso público, café com leite ou qualquer interpretação de sua cor.

      Pelo fato de você ser negra o projeto também funciona como um forte statement político, você concorda com isso? 

      Concordo, é uma declaração de intenções. Não quero parecer piegas, mas parafraseando Martin Luther King, não quero ser julgada pela minha cor de pele, mas pelo conteúdo do meu caráter. Com humanae essa reflexão de igualdade fica clara. Todos são únicos e todos são iguais, humanos.

      Ler mais

    • Usuário do Tumblr em destaque: Pedro Garcia                          

      Blog: Cartiê Bressão

      Primeira postagem: junho de 2012

      Deparamos com o tumblr do fotógrafo, designer, publicitário e co-fundador do Queremos! Pedro Garcia, quase que por acidente. E não conseguimos mais tirar os olhos de cima. Aqui, Pedro encarna uma versão tupiniquim do famoso fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson. Considerado por muitos o “pai do fotojornalismo”, Bresson colaborou com revistas famosas como a Vogue, Life e Harper’s Bazaar e era, como define o próprio Pedro, um artista do cotidiano. Na versão do alter ego brasileiro, o Rio de Janeiro é o leitmotiv dos instantâneos capturados pelo Cartiê Bressão. Recentemente, as fotos viraram livro e Pedro conta um pouco para a gente sobre esse processo.

      Como surgiu a ideia do tumblr? E porque Cartier-Bresson?

      Tudo começou quando eu me fantasiei de Jorge Tadeu num carnaval de rua depois de passar 8 anos morando fora do Rio. Levei uma câmera para o bloco e aproveitei para entrar na personagem. Gostei tanto do resultado e da sensação de conseguir capturar cenas que por algum motivo me marcaram que continuei tirando fotos dessas cenas mesmo depois do carnaval. Chegou uma hora que percebi que as fotos que estava tirando tinham algo em comum. Separei todas e criei o tumblr para ajudar a ver mais claramente o que elas tinham para me dizer. O nome Cartiê Bressão veio logo que eu entendi o que eu tinha na mão, porque o Cartier-Bresson é praticamente sinônimo de fotografia do cotidiano, e a abrasileirada me pareceu perfeita para uma brincadeira despretensiosa.

      Já vimos muitas definições sobre você: publicitário, fotógrafo, empresário, designer… qual é a sua definição de você mesmo?

      Realmente, uma ótima pergunta. Acho que alguém indo atrás do seu potencial e da sua realização.

      O livro foi uma consequência da repercussão do tumblr ou já havia uma intenção de publicá-lo?

      Desde o começo do projeto eu tenho tentando não impôr rumos para ele, e sim sentir que direção que ele está tomando. A primeira coisa que as pessoas pediram foi para comprar as fotos, por isso eu começei com as impressões limitadas. Depois começaram a pedir o livro e eu conversei com algumas editoras. A Versal tinha uma proposta muito boa focando principalmente na qualidade do produto e assim que fechamos começamos no longo processo de correr atrás das autorizações e de preparar o livro.

      Como a participação no Programa do Jô afetou as vendas e divulgação do livro e as visitas no Tumblr?

      O poder da televisão ainda é muito impressionante. A internet é muito boa para crescimento orgânico e conversão em vendas, mas a televisão tem um canhão de audiência que apresenta o trabalho para pessoas que nunca ouviriam falar dele de outra maneira.

      Você disse que teve um problema com um segurança que dormia numa agência dos correios quando você o fotografou. A maioria das pessoas não sabem quando estão sendo fotografadas? Como funciona esse processo?

      Depende muito da cena. Eu tento entender como extrair o melhor momento da cena. Às vezes o interessante é ser um retrato posado mesmo, às vezes uma cena de longe já diz tudo, ou pode ser justo aquele instante que a pessoa percebe que está sendo fotografada.

      A maioria das fotos são tiradas do celular? 

      São todas tiradas no meu iPhone.

      Existem planos para um segundo livro?

      Planos com certeza, mas vou continuar tirando as fotos e vendo que direção o projeto vai tomando.

      Por que escolheu o Tumblr como plataforma? 

      Na minha cabeça eu queria um tumblr com um tema que parecesse uma parede de galeria. O feed do Instagram com as fotos não estava fazendo jus ao que as fotos juntas teriam condição de dizer em contexto.

      Quais são os seus tumblrs favoritos?

      Difícil escolher os favoritos, mas vai uma lista de alguns que eu gosto: Comunidades do OrkutThe Criterion Collection, Table For One, B4XVI.

      Fotos: Cartiê Bressão

    • Usuário do Tumblr em destaque: David Butter Blog: davidbutter Primeira postagem: abril de 2013 Vira e mexe esbarramos em blogs que são diferentes de tudo o que já vimos. E o mérito é sempre dos blogueiros que esbanjam criatividade e originalidade. Por isso, esta seção de usuários em destaque é tão importante. E também por isso, temos o prazer de apresentar a vocês o nosso usuário da vez. David Butter é um jornalista carioca de 34 anos que conseguiu o feito de criar não apenas um, mas dois, blogs interessantíssimos aqui no Tumblr. Abaixo ele comenta sobre a origem e o processo de criação desse universo que ele faz questão de compartilhar com seus leitores. Qual é a história por trás do seu blog? Ele traz o seu nome, mas a descrição diz “cada texto circula por um grupo de amigos antes de ir ao ar. Na hora da publicação, os melhores comentários entram junto.” Você escreve tudo e apenas pede a opinião deles, ou eles, de fato, te ajudam a escrever os textos? O meu Tumblr surgiu da ideia de compilar algumas ideias minhas que jaziam dispersas em outras redes sociais. Tenho obsessão por alguns temas. Alguns deles, como a mal disfarçada vergonha do brasileiro em relação ao patrimônio natural do país, apareciam com muita frequência nos meus surtos de atividade. Tenho um amigo que sempre me manda “tomar um remedinho” quando começo a postar freneticamente sobre um tema, mas eu mesmo notei que não conseguia escapar dessas sequências malucas. Como consequência natural, resolvi organizar um pouco a bagunça, juntando e ampliando algumas ideias. A prática de fazer circular o texto entre um grupo de amigos vem um pouco da minha insatisfação com as maneiras tradicionais de se comentar na internet. Não acredito que o comentário aberto ou moderado pós-publicação seja a única forma de se trocar com os leitores. Oferecer uma “primeira leitura” aos seguidores do meu Tumblr me permitiu não apenas melhorar como articulista, mas também repensar alguns conceitos.[[MORE]] É você que cria as ilustrações para os posts ou o blog conta com colaboradores? E o que costuma vir primeiro: o texto ou o desenho?A imensa maioria das ilustrações é minha. Cheguei a um formato lá pelo décimo post, e segui na mesma linha desde então. No geral, o texto me vem primeiro. O desenho é filho duma disciplina meio de gincana: eu me dou uns dez minutos para fazer cada um no mouse, e publico o que sai. Foi assim com quase todos. Como você decide o tema das próximas postagens? Faço uma lista de temas e vou matando por sequência. Evito ao máximo ser vítima da pauta do dia, ou do noticiário, até por achar que já há gente demais opinando sobre o que sai na imprensa. Você tem um outro blogs, o Bíblia das celebridades, conta pra gente um pouco sobre a ideia e o conteúdo desse blog. A Bíblia das Celebridades surgiu de uma dessas sequências de posts em redes sociais. Numa madrugada, eu me peguei imaginando: “E se as celebridades de hoje tivessem de ser explicadas a um judeu exilado na Babilônia no século III”? É uma viagem, eu sei, mas foi isso mesmo que deu partida: um desafio de redação e de tradução para outra lógica de explicação. Sou um leitor da Bíblia, e aquela forma de contar corre no meu sangue. Escrevi um tweet “bíblico” sobre o Bruno de Luca, depois outro sobre o Caetano Veloso e daí não parei mais. O Tumblr veio para compilar os primeiros tweets, mas logo cresceu, com conteúdo original. No meio dessa jornada, topei com o João Brunelli, um publicitário que parece ter sido tirado da Palestina romana. A maioria dos posts é minha e dele. O resto, de fãs do Tumblr, é editado por nós dois. É uma brincadeira que me diverte para fazer. Isso até atrapalha alguns posts, que parecem ser feitos para eu rir sozinho.
Por que escolheu o Tumblr como plataforma? O Tumblr tem comunidades orgânicas. As pessoas se esbarram por interesses efetivos, e não por interesses declarados para soar bem para o chefe ou para os primos que moram longe. Essa mescla de interesses, caótica e melhor ainda por ser assim, funciona. Quais são seus blogs favoritos no Tumblr? Dos gringos, curto muito o pornhubcommentsonstockphotos. Dos brasileiros, o opintinho (da Alexandra Moraes), o eunaosouretardado (do David Boutsiavaras, que é um gênio), e o catalogodepessoasfamiliares (do Gabriel Mitsu).
Foto: David Butter

      Usuário do Tumblr em destaque: David Butter
      Blog: davidbutter
      Primeira postagem: abril de 2013 

      Vira e mexe esbarramos em blogs que são diferentes de tudo o que já vimos. E o mérito é sempre dos blogueiros que esbanjam criatividade e originalidade. Por isso, esta seção de usuários em destaque é tão importante. E também por isso, temos o prazer de apresentar a vocês o nosso usuário da vez.

      David Butter é um jornalista carioca de 34 anos que conseguiu o feito de criar não apenas um, mas dois, blogs interessantíssimos aqui no Tumblr. Abaixo ele comenta sobre a origem e o processo de criação desse universo que ele faz questão de compartilhar com seus leitores.

      Qual é a história por trás do seu blog? Ele traz o seu nome, mas a descrição diz “cada texto circula por um grupo de amigos antes de ir ao ar. Na hora da publicação, os melhores comentários entram junto.” Você escreve tudo e apenas pede a opinião deles, ou eles, de fato, te ajudam a escrever os textos?
      O meu Tumblr surgiu da ideia de compilar algumas ideias minhas que jaziam dispersas em outras redes sociais. Tenho obsessão por alguns temas. Alguns deles, como a mal disfarçada vergonha do brasileiro em relação ao patrimônio natural do país, apareciam com muita frequência nos meus surtos de atividade.

      Tenho um amigo que sempre me manda “tomar um remedinho” quando começo a postar freneticamente sobre um tema, mas eu mesmo notei que não conseguia escapar dessas sequências malucas. Como consequência natural, resolvi organizar um pouco a bagunça, juntando e ampliando algumas ideias.

      A prática de fazer circular o texto entre um grupo de amigos vem um pouco da minha insatisfação com as maneiras tradicionais de se comentar na internet. Não acredito que o comentário aberto ou moderado pós-publicação seja a única forma de se trocar com os leitores. Oferecer uma “primeira leitura” aos seguidores do meu Tumblr me permitiu não apenas melhorar como articulista, mas também repensar alguns conceitos.

      Ler mais

    •  Usuária do Tumblr em destaque: Polliana Dalla Blog: pollicoisa Primeira postagem: dezembro de 2009 Chegou a hora de destacar mais um usuário aqui no Tumblr. Desta vez, batemos um papo com a Polliana Dalla, uma artista visual capixaba de 25 anos. Ela escreve, desenha, fotografa e cria colagens interessantíssimas. Como se tudo isso não bastasse, ela e mais dois amigos estão abrindo um espaço independente em Vitória para promover o diálogo e a troca entre os artistas locais e artistas de outras cidades. Legal, né? Como surgiu o seu interesse pelas artes plásticas e visuais? Logo que aprendi a ler, ganhei uma biografia de Pablo Picasso, daquelas que vendem em banquinhas de jornal. A imagem de uma pintura específica ficou na minha cabeça. Anos mais tarde, tive um amigo que estudava História da Arte e que me mostrou uma pintura que ele estava analisando para uma aula: era a mesma que eu tinha em minha cabeça desde a infância! Fiquei encantada com esse universo e fui atrás de estudar alguns artistas e movimentos artísticos. Em minha família, nunca houve ninguém com interesse pelas artes, daí todo o caminho foi por conta própria. Quando prestei vestibular, fiquei na dúvida entre Artes, História e Letras. Optei por Artes por achar que poderia englobar esses outros assuntos em uma pesquisa. Felizmente, estava certa! [[MORE]]Além de desenhos, textos, colagens, o seu blog também possui vários registros de viagens. Você viaja para se inspirar ou viaja por outras razões e acaba se inspirando no caminho? Por gostar muito de estar em trânsito, o ato de viajar foi incorporado ao processo de criação. Primeiro, viajava a passeio e, durante essas viagens, foram surgindo alguns trabalhos. Depois, comecei a planejar as viagens para realizar trabalhos, a exemplo de uma viagem que fiz em 2013 e durante a qual fiquei cerca de dois meses viajando pela América Latina. Nessa viagem, um dos trabalhos que fiz foi uma ação na Bolívia e no Chile: transportei um punhado de água do litoral chileno até o Lago Titicaca, na Bolívia. Foi uma forma simbólica de devolver o mar à Bolívia, que perdeu seu litoral para o Chile na Guerra do Pacífico, no século XIX.Qual é o conceito por trás de suas colagens? As colagens surgiram de uma vontade de inserir textos nos desenhos e, a partir daí, fui explorando as diversas possibilidades que a colagem nos dá. Os textos, geralmente, são recortados de livros de ciências (astronomia, física, matemática, biologia, economia) e de catálogos de artes. Tento descontextualizar as palavras de seu local original e, quando as transfiro para o papel, quero que o significado delas seja mais sensível que o significado do contexto no qual esses textos foram encontrados. E, junto a isso, existe uma eterna maratona em sebos e papelarias antigas em buscas de papéis de cores, texturas, gramaturas e transparências diferentes. É sempre um trabalho de busca minuciosa e, hoje em dia, é quase uma ação de colecionismo: sempre guardo qualquer papelzinho que encontro no caminho. Conta para gente um pouco sobre a sua exposição “E você sai caminhando em dia vermelho”. “E você sai caminhando em dia vermelho” foi um trabalho que fiz em 2011. Caminhei entre Domingos Martins e Santa Leopoldina, dois municípios aqui do Espirito Santo. Foram mais ou menos 60 quilômetros de estrada, distribuídos em 3 dias de caminhada. Ao longo do percurso, deixei 9 caixinhas de escritos de memórias que tinha dessa região, que foi um lugar bastante visitado em minha infância. A partir disso, em 2012, fiz minha primeira exposição individual na galeria Homero Massena, em Vitória. Nessa exposição, usei umas caixas de acrílico parecidas com as que deixei pela estrada, e cada caixa continha textos descrevendo a experiência do trabalho, além de colagens e desenhos feitos a partir de recortes de alguns livros importantes no processo de criação, dentre eles, “No caminho de Swann”, de Marcel Proust e “Os Detetives Selvagens”, de Roberto Bolaño. Por que escolheu o Tumblr como plataforma para o seu blog? Quando uns amigos me mostraram, fiquei encantada com a facilidade de usar. É tudo bem simples e prático! Adquiri uma rotina de sempre postar trabalhos, como uma espécie de livro de rascunhos. Hoje em dia, consigo ter uma visão do que era meu trabalho há 4 anos atrás e de como ele foi se modificando. Quais são os blogs do Tumblr que você mais gosta? O Tumblr passou a ser uma grande fonte de referências. Os que mais gosto e visito são os de arte e fotografia: artpedia, jesuisperdu, aubreylstallard, blastedheath, museumuesum e ttrincea.
Foto: pollicoisa

      Usuária do Tumblr em destaque: Polliana Dalla
      Blog: pollicoisa
      Primeira postagem: dezembro de 2009 

      Chegou a hora de destacar mais um usuário aqui no Tumblr. Desta vez, batemos um papo com a Polliana Dalla, uma artista visual capixaba de 25 anos. Ela escreve, desenha, fotografa e cria colagens interessantíssimas. Como se tudo isso não bastasse, ela e mais dois amigos estão abrindo um espaço independente em Vitória para promover o diálogo e a troca entre os artistas locais e artistas de outras cidades. Legal, né?

      Como surgiu o seu interesse pelas artes plásticas e visuais?
      Logo que aprendi a ler, ganhei uma biografia de Pablo Picasso, daquelas que vendem em banquinhas de jornal. A imagem de uma pintura específica ficou na minha cabeça. Anos mais tarde, tive um amigo que estudava História da Arte e que me mostrou uma pintura que ele estava analisando para uma aula: era a mesma que eu tinha em minha cabeça desde a infância! Fiquei encantada com esse universo e fui atrás de estudar alguns artistas e movimentos artísticos. Em minha família, nunca houve ninguém com interesse pelas artes, daí todo o caminho foi por conta própria. Quando prestei vestibular, fiquei na dúvida entre Artes, História e Letras. Optei por Artes por achar que poderia englobar esses outros assuntos em uma pesquisa. Felizmente, estava certa!

      Ler mais