•  Usuária do Tumblr em destaque: Polliana Dalla Blog: pollicoisa Primeira postagem: dezembro de 2009 Chegou a hora de destacar mais um usuário aqui no Tumblr. Desta vez, batemos um papo com a Polliana Dalla, uma artista visual capixaba de 25 anos. Ela escreve, desenha, fotografa e cria colagens interessantíssimas. Como se tudo isso não bastasse, ela e mais dois amigos estão abrindo um espaço independente em Vitória para promover o diálogo e a troca entre os artistas locais e artistas de outras cidades. Legal, né? Como surgiu o seu interesse pelas artes plásticas e visuais? Logo que aprendi a ler, ganhei uma biografia de Pablo Picasso, daquelas que vendem em banquinhas de jornal. A imagem de uma pintura específica ficou na minha cabeça. Anos mais tarde, tive um amigo que estudava História da Arte e que me mostrou uma pintura que ele estava analisando para uma aula: era a mesma que eu tinha em minha cabeça desde a infância! Fiquei encantada com esse universo e fui atrás de estudar alguns artistas e movimentos artísticos. Em minha família, nunca houve ninguém com interesse pelas artes, daí todo o caminho foi por conta própria. Quando prestei vestibular, fiquei na dúvida entre Artes, História e Letras. Optei por Artes por achar que poderia englobar esses outros assuntos em uma pesquisa. Felizmente, estava certa! [[MORE]]Além de desenhos, textos, colagens, o seu blog também possui vários registros de viagens. Você viaja para se inspirar ou viaja por outras razões e acaba se inspirando no caminho? Por gostar muito de estar em trânsito, o ato de viajar foi incorporado ao processo de criação. Primeiro, viajava a passeio e, durante essas viagens, foram surgindo alguns trabalhos. Depois, comecei a planejar as viagens para realizar trabalhos, a exemplo de uma viagem que fiz em 2013 e durante a qual fiquei cerca de dois meses viajando pela América Latina. Nessa viagem, um dos trabalhos que fiz foi uma ação na Bolívia e no Chile: transportei um punhado de água do litoral chileno até o Lago Titicaca, na Bolívia. Foi uma forma simbólica de devolver o mar à Bolívia, que perdeu seu litoral para o Chile na Guerra do Pacífico, no século XIX.Qual é o conceito por trás de suas colagens? As colagens surgiram de uma vontade de inserir textos nos desenhos e, a partir daí, fui explorando as diversas possibilidades que a colagem nos dá. Os textos, geralmente, são recortados de livros de ciências (astronomia, física, matemática, biologia, economia) e de catálogos de artes. Tento descontextualizar as palavras de seu local original e, quando as transfiro para o papel, quero que o significado delas seja mais sensível que o significado do contexto no qual esses textos foram encontrados. E, junto a isso, existe uma eterna maratona em sebos e papelarias antigas em buscas de papéis de cores, texturas, gramaturas e transparências diferentes. É sempre um trabalho de busca minuciosa e, hoje em dia, é quase uma ação de colecionismo: sempre guardo qualquer papelzinho que encontro no caminho. Conta para gente um pouco sobre a sua exposição “E você sai caminhando em dia vermelho”. “E você sai caminhando em dia vermelho” foi um trabalho que fiz em 2011. Caminhei entre Domingos Martins e Santa Leopoldina, dois municípios aqui do Espirito Santo. Foram mais ou menos 60 quilômetros de estrada, distribuídos em 3 dias de caminhada. Ao longo do percurso, deixei 9 caixinhas de escritos de memórias que tinha dessa região, que foi um lugar bastante visitado em minha infância. A partir disso, em 2012, fiz minha primeira exposição individual na galeria Homero Massena, em Vitória. Nessa exposição, usei umas caixas de acrílico parecidas com as que deixei pela estrada, e cada caixa continha textos descrevendo a experiência do trabalho, além de colagens e desenhos feitos a partir de recortes de alguns livros importantes no processo de criação, dentre eles, “No caminho de Swann”, de Marcel Proust e “Os Detetives Selvagens”, de Roberto Bolaño. Por que escolheu o Tumblr como plataforma para o seu blog? Quando uns amigos me mostraram, fiquei encantada com a facilidade de usar. É tudo bem simples e prático! Adquiri uma rotina de sempre postar trabalhos, como uma espécie de livro de rascunhos. Hoje em dia, consigo ter uma visão do que era meu trabalho há 4 anos atrás e de como ele foi se modificando. Quais são os blogs do Tumblr que você mais gosta? O Tumblr passou a ser uma grande fonte de referências. Os que mais gosto e visito são os de arte e fotografia: artpedia, jesuisperdu, aubreylstallard, blastedheath, museumuesum e ttrincea.
Foto: pollicoisa

      Usuária do Tumblr em destaque: Polliana Dalla
      Blog: pollicoisa
      Primeira postagem: dezembro de 2009 

      Chegou a hora de destacar mais um usuário aqui no Tumblr. Desta vez, batemos um papo com a Polliana Dalla, uma artista visual capixaba de 25 anos. Ela escreve, desenha, fotografa e cria colagens interessantíssimas. Como se tudo isso não bastasse, ela e mais dois amigos estão abrindo um espaço independente em Vitória para promover o diálogo e a troca entre os artistas locais e artistas de outras cidades. Legal, né?

      Como surgiu o seu interesse pelas artes plásticas e visuais?
      Logo que aprendi a ler, ganhei uma biografia de Pablo Picasso, daquelas que vendem em banquinhas de jornal. A imagem de uma pintura específica ficou na minha cabeça. Anos mais tarde, tive um amigo que estudava História da Arte e que me mostrou uma pintura que ele estava analisando para uma aula: era a mesma que eu tinha em minha cabeça desde a infância! Fiquei encantada com esse universo e fui atrás de estudar alguns artistas e movimentos artísticos. Em minha família, nunca houve ninguém com interesse pelas artes, daí todo o caminho foi por conta própria. Quando prestei vestibular, fiquei na dúvida entre Artes, História e Letras. Optei por Artes por achar que poderia englobar esses outros assuntos em uma pesquisa. Felizmente, estava certa!

      Além de desenhos, textos, colagens, o seu blog também possui vários registros de viagens. Você viaja para se inspirar ou viaja por outras razões e acaba se inspirando no caminho?
      Por gostar muito de estar em trânsito, o ato de viajar foi incorporado ao processo de criação. Primeiro, viajava a passeio e, durante essas viagens, foram surgindo alguns trabalhos. Depois, comecei a planejar as viagens para realizar trabalhos, a exemplo de uma viagem que fiz em 2013 e durante a qual fiquei cerca de dois meses viajando pela América Latina. Nessa viagem, um dos trabalhos que fiz foi uma ação na Bolívia e no Chile: transportei um punhado de água do litoral chileno até o Lago Titicaca, na Bolívia. Foi uma forma simbólica de devolver o mar à Bolívia, que perdeu seu litoral para o Chile na Guerra do Pacífico, no século XIX.

      Qual é o conceito por trás de suas colagens?
      As colagens surgiram de uma vontade de inserir textos nos desenhos e, a partir daí, fui explorando as diversas possibilidades que a colagem nos dá. Os textos, geralmente, são recortados de livros de ciências (astronomia, física, matemática, biologia, economia) e de catálogos de artes. Tento descontextualizar as palavras de seu local original e, quando as transfiro para o papel, quero que o significado delas seja mais sensível que o significado do contexto no qual esses textos foram encontrados. E, junto a isso, existe uma eterna maratona em sebos e papelarias antigas em buscas de papéis de cores, texturas, gramaturas e transparências diferentes. É sempre um trabalho de busca minuciosa e, hoje em dia, é quase uma ação de colecionismo: sempre guardo qualquer papelzinho que encontro no caminho.

      Conta para gente um pouco sobre a sua exposição “E você sai caminhando em dia vermelho”.
      “E você sai caminhando em dia vermelho” foi um trabalho que fiz em 2011. Caminhei entre Domingos Martins e Santa Leopoldina, dois municípios aqui do Espirito Santo. Foram mais ou menos 60 quilômetros de estrada, distribuídos em 3 dias de caminhada. Ao longo do percurso, deixei 9 caixinhas de escritos de memórias que tinha dessa região, que foi um lugar bastante visitado em minha infância. A partir disso, em 2012, fiz minha primeira exposição individual na galeria Homero Massena, em Vitória. Nessa exposição, usei umas caixas de acrílico parecidas com as que deixei pela estrada, e cada caixa continha textos descrevendo a experiência do trabalho, além de colagens e desenhos feitos a partir de recortes de alguns livros importantes no processo de criação, dentre eles, “No caminho de Swann”, de Marcel Proust e “Os Detetives Selvagens”, de Roberto Bolaño.

      Por que escolheu o Tumblr como plataforma para o seu blog?
      Quando uns amigos me mostraram, fiquei encantada com a facilidade de usar. É tudo bem simples e prático! Adquiri uma rotina de sempre postar trabalhos, como uma espécie de livro de rascunhos. Hoje em dia, consigo ter uma visão do que era meu trabalho há 4 anos atrás e de como ele foi se modificando.

      Quais são os blogs do Tumblr que você mais gosta?
      O Tumblr passou a ser uma grande fonte de referências. Os que mais gosto e visito são os de arte e fotografia: artpedia, jesuisperdu, aubreylstallard, blastedheath, museumuesum e ttrincea.

      Foto: pollicoisa