• Usuário do Tumblr em destaque: Rafael Iotti Blog: ¡Adiós, Sophia!Primeira postagem: maio de 2010 Quem nunca sofreu por amor? Agora, quem já sofreu por amor e teve a ideia de criar um blog para amolecer um coração de pedra e transformar um amor platônico em amor real? Nosso usuário em destaque da semana! Rafael Iotti é um jornalista gaúcho de 20 anos, pra lá de inteligente e bem-humorado, além de um romântico inveterado! Azar da Sophia, que o deixou escapar.
Qual é a história por trás do título “¡Adiós, Sophia!”? Ah, o ¡Adiós, Sophia! tem uma história comum se relacionada à maioria dos blogs de textos por aí. Paixão. O título já desmistifica um pouco, acho bem intuitivo. No início, era isso: um blog com textos apaixonativos e clichês sobre uma relação platônica que, talvez, pudesse mudar, se a pessoa-alvo lesse e se sensibilizasse com tudo. Acho difícil alguém se sensibilizar com aquilo. Por isso, fui escrevendo e escrevendo cada vez mais, e lendo muito, para tentar melhorar. No início, eu não conhecia nada, escrevia mal. Mas é o que se espera de alguém imaturo, de 16 anos. [[MORE]] Sobre Sophia, sim, ela existiu. Existe. Talvez não mais em mim, mas dentro dela mesma existe, tenho certeza. Sophia era um codinome, tipo o Beija-flor do Cazuza, com todas as devidas comparações possíveis, claro. Às vezes, brinco que ela nunca existiu, porque Sophia era uma musa inspiradora que, de certa forma, não existe. E nunca vai existir. Mas digamos que, na época, eu tivesse encontrado alguém que beirasse essa ilusão e que, no final das contas, era mais que uma perfeição. Como disse alguém: o único defeito era ser perfeita. No fervor do sentimentalismo, tu não enxerga problema nenhum, tudo é bonito e brilhante. As imperfeições são ofuscadas, todas, por um negocinho muito complicado chamado paixão. Mas a Sophia, real, digamos, foi um aprendizado. Muito grande. Nada melhor pra alguém aprender do que um amor que não deu certo. Sofrer é difícil. Na hora, muito ruim. Mas depois, depois do sofrimento, é uma das melhores coisas que pode acontecer. Tu vê tudo que cresceu. E, no que diz respeito à aprendizagem, o sofrimento é o melhor professor. Por que escolheu o formato “desenhos e textos escritos à mão” para os conteúdos do seu blog? Na verdade, eu comecei só escrevendo. O desenho e a escrita têm pouca vida, ainda. Acho que comecei a fazer isso em 2012, mas só de brincadeira. Gosto muito de desenhar, ler quadrinhos, ver desenho animado, etc. Meu pai é desenhista, então, quando eu era pequeno, ficava vendo ele desenhar e tentava copiar depois. Tudo que aprendi, que é pouquíssimo, foi assim, desse jeito. Daí, um dia, fiz um desenho e escrevi algo do lado. Pensei: por que não publicar? Publiquei. O pessoal curtiu. E insisti um pouco nisso. É tudo brincadeira: não tenho pretensão nenhuma de levar o meu desenho a um nível profissional, porque, enfim, eu desenho mal. Você é mais escritor ou ilustrador? Eu sou nada. Prefiro escrever, tenho maiores ambições (que são quase nulas) em relação à escrita. Leio mais literatura, hoje em dia, do que quadrinhos e cartoons. Enfim, literatura eu estudo. E desenhar… nada. Como disse antes, desenho só por brincadeira, não sou e nunca vou ser um ilustrador.
Você é mais escritor ou ilustrador? Eu sou nada. Prefiro escrever, tenho maiores ambições (que são quase nulas) em relação à escrita. Leio mais literatura, hoje em dia, do que quadrinhos e cartuns. Enfim, literatura eu estudo. E desenhar… nada. Como disse antes, desenho só por brincadeira, não sou e nunca vou ser um ilustrador.
Por que escolheu o Tumblr como plataforma? Em 2010, eu tinha recém começado a escrever num blog comum. E daí uma amiga minha disse: por que tu não faz um Tumblr?. Eu disse: por que não faço um o quê?. Tumblr, ela disse. Só fui aprender a falar isso esse ano. Tãmblêr. Acho que é assim. Mas eu fiz. Fiz um Tumblr, em 2010, quando pouca gente tinha, e eu nem sabia por que estava fazendo. Só não queria ser rude com aquela minha amiga. Daí vi que encaixou o nome que eu queria e fiz. Fui acumulando seguidores e etc. Hoje em dia, é a melhor plataforma que existe. Enquanto o Wordpress e o Blogspot precisam de divulgação e mais divulgação em cima, o Tumblr sobrevive sozinho, é tipo um autótrofo. Quais são seus blogs favoritos aqui no Tumblr? Tem um que gosto muito, é de um fotógrafo muito bom, que expõe umas fotos de umas mulheres artisticamente nuas, mui caliente. Acho que é o blog do Tumblr de maior qualidade, tanto em termos de conteúdo quanto de estética, que já vi. O nome é Kesler Tran.
Foto: Rafael Iotti


      Usuário do Tumblr em destaque: Rafael Iotti
      Blog: ¡Adiós, Sophia!
      Primeira postagem: maio de 2010 

      Quem nunca sofreu por amor? Agora, quem já sofreu por amor e teve a ideia de criar um blog para amolecer um coração de pedra e transformar um amor platônico em amor real? Nosso usuário em destaque da semana! Rafael Iotti é um jornalista gaúcho de 20 anos, pra lá de inteligente e bem-humorado, além de um romântico inveterado! Azar da Sophia, que o deixou escapar.

      Qual é a história por trás do título “¡Adiós, Sophia!”?
      Ah, o ¡Adiós, Sophia! tem uma história comum se relacionada à maioria dos blogs de textos por aí. Paixão. O título já desmistifica um pouco, acho bem intuitivo. No início, era isso: um blog com textos apaixonativos e clichês sobre uma relação platônica que, talvez, pudesse mudar, se a pessoa-alvo lesse e se sensibilizasse com tudo. Acho difícil alguém se sensibilizar com aquilo. Por isso, fui escrevendo e escrevendo cada vez mais, e lendo muito, para tentar melhorar. No início, eu não conhecia nada, escrevia mal. Mas é o que se espera de alguém imaturo, de 16 anos.
      Sobre Sophia, sim, ela existiu. Existe. Talvez não mais em mim, mas dentro dela mesma existe, tenho certeza. Sophia era um codinome, tipo o Beija-flor do Cazuza, com todas as devidas comparações possíveis, claro. Às vezes, brinco que ela nunca existiu, porque Sophia era uma musa inspiradora que, de certa forma, não existe. E nunca vai existir. Mas digamos que, na época, eu tivesse encontrado alguém que beirasse essa ilusão e que, no final das contas, era mais que uma perfeição. Como disse alguém: o único defeito era ser perfeita. No fervor do sentimentalismo, tu não enxerga problema nenhum, tudo é bonito e brilhante. As imperfeições são ofuscadas, todas, por um negocinho muito complicado chamado paixão. Mas a Sophia, real, digamos, foi um aprendizado. Muito grande. Nada melhor pra alguém aprender do que um amor que não deu certo. Sofrer é difícil. Na hora, muito ruim. Mas depois, depois do sofrimento, é uma das melhores coisas que pode acontecer. Tu vê tudo que cresceu. E, no que diz respeito à aprendizagem, o sofrimento é o melhor professor.

      Por que escolheu o formato “desenhos e textos escritos à mão” para os conteúdos do seu blog?
      Na verdade, eu comecei só escrevendo. O desenho e a escrita têm pouca vida, ainda. Acho que comecei a fazer isso em 2012, mas só de brincadeira. Gosto muito de desenhar, ler quadrinhos, ver desenho animado, etc. Meu pai é desenhista, então, quando eu era pequeno, ficava vendo ele desenhar e tentava copiar depois. Tudo que aprendi, que é pouquíssimo, foi assim, desse jeito. Daí, um dia, fiz um desenho e escrevi algo do lado. Pensei: por que não publicar? Publiquei. O pessoal curtiu. E insisti um pouco nisso. É tudo brincadeira: não tenho pretensão nenhuma de levar o meu desenho a um nível profissional, porque, enfim, eu desenho mal. Você é mais escritor ou ilustrador? Eu sou nada. Prefiro escrever, tenho maiores ambições (que são quase nulas) em relação à escrita. Leio mais literatura, hoje em dia, do que quadrinhos e cartoons. Enfim, literatura eu estudo. E desenhar… nada. Como disse antes, desenho só por brincadeira, não sou e nunca vou ser um ilustrador.

      Você é mais escritor ou ilustrador?
      Eu sou nada. Prefiro escrever, tenho maiores ambições (que são quase nulas) em relação à escrita. Leio mais literatura, hoje em dia, do que quadrinhos e cartuns. Enfim, literatura eu estudo. E desenhar… nada. Como disse antes, desenho só por brincadeira, não sou e nunca vou ser um ilustrador.

      Por que escolheu o Tumblr como plataforma?
      Em 2010, eu tinha recém começado a escrever num blog comum. E daí uma amiga minha disse: por que tu não faz um Tumblr?. Eu disse: por que não faço um o quê?. Tumblr, ela disse. Só fui aprender a falar isso esse ano. Tãmblêr. Acho que é assim. Mas eu fiz. Fiz um Tumblr, em 2010, quando pouca gente tinha, e eu nem sabia por que estava fazendo. Só não queria ser rude com aquela minha amiga. Daí vi que encaixou o nome que eu queria e fiz. Fui acumulando seguidores e etc. Hoje em dia, é a melhor plataforma que existe. Enquanto o Wordpress e o Blogspot precisam de divulgação e mais divulgação em cima, o Tumblr sobrevive sozinho, é tipo um autótrofo.

      Quais são seus blogs favoritos aqui no Tumblr?
      Tem um que gosto muito, é de um fotógrafo muito bom, que expõe umas fotos de umas mulheres artisticamente nuas, mui caliente. Acho que é o blog do Tumblr de maior qualidade, tanto em termos de conteúdo quanto de estética, que já vi. O nome é Kesler Tran.

      Foto: Rafael Iotti